COTAÇÃO CÁLCULO DE MOLAS DESENHO BUSCA POR FORNECEDORES TREINAMENTOS
Login Web Molas
 
 
 
:: Webmolas - o maior conteúdo de molas da web ::
Sabado, 16 de Outubro de 2021
Notícia : 24/01 - Governo e centrais sindicais decidem salário mínimo
Brasília - Governo e centrais sindicais devem bater o martelo nesta terça-feira (24), em reunião marcada para as 15 horas, sobre o reajuste do salário mínimo para 2006. Está na mesa de negociação, coordenada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a contraproposta apresentada pelas centrais sindicais na última quinta-feira (19), que estabelece elevação do mínimo dos atuais R$ 300 para 350 em abril e uma correção da tabela do imposto de renda em 8%.

Caso seja aprovada, a decisão encerra um processo de negociação que teve início em 30 de novembro, quando sindicalistas realizaram marcha a Brasília pela valorização do salário mínimo. Recebidos pela ministra-chefe da Casa Civil e pelo ministro do Trabalho, Luiz Marinho, os líderes sindicais propunham um mínimo de R$ 400 e atrelaram a isso a reivindicação da correção da tabela do imposto de renda em 13%, correspondentes às perdas provocadas pela inflação nos últimos dois anos.

O governo iniciou o debate propondo o valor de R$ 340 para o salário mínimo e defendendo que a correção da tabela fosse discutida em um outro foro. Na época, o relator do orçamento, deputado Carlito Merss (PT/SC), argumentou que o reajuste para R$ 400 teria um impacto de R$ 12,4 bilhões nas contas do governo.

Na semana passada chegou-se a um acordo em torno do valor de R$ 350. Mas há divergência quanto ao mês em que o novo mínimo passará a valer: abril para as centrais e maio para o governo. Também não há consenso em relação ao índice de correção da tabela do imposto de renda. Os sindicalistas condicionam os 8% à antecipação do reajuste para abril e o governo propõe 7%.

O relator da lei orçamentária, deputado Carlito Merss, defende o reajuste em maio e a correção da tabela do imposto de renda em 10%. Segundo Merss, essa proposta chegou a ser apresentada pelo governo na reunião de quinta-feira. "Em termos de números, esse é o acordo que ajudaria a todos", disse. Para ele, caso o governo opte por ceder aos apelos dos sindicalistas, será preciso deslocar R$ 700 milhões do orçamento para atender ao pleito. No entanto, o parlamentar citou que diversos prefeitos já disseram que não teriam suporte administrativo para antecipar o reajuste. "Para nós não haveria problemas, temos como arrumar o valor. Mas a preocupação que os sindicalistas não têm levado em consideração é a angústia dos prefeitos das pequenas cidades".


Participam da reunião com Lula e sua equipe econômica a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Força Sindical, a Central Geral de Trabalhadores (CGT), a Social Democracia Sindical (SDS), a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) e a Central Autônoma de Trabalhadores (CAT).
Fonte: Agência Brasil

Anuncie no Webmolas.com.br    Assine o Webmolas.com.br
 Contato    Cadastre-se
Resolução Mínima 800x600 © Copyright 2001 - 2007 WEBMOLAS